Gente Buscando Gente

Aos 108 anos, mulher mais velha do AP sonha rever filho desaparecido



Primogênito desapareceu em 1959, no município de Chaves, no Pará.

Aos 108 anos, Estela Gonçalves Maciel é a mulher mais velha do Amapá. Mãe de cinco mulheres e três homens, ela diz que sonha rever o filho primogênito, Raimundo Gonçalves, desaparecido desde 1959.


O filho completaria 75 anos em 2014. Segundo a família, ele desapareceu após engravidar uma jovem no município de Chaves, interior do Pará, onde morava com os pais. Segurando forte a única foto que restou do primogênito, a idosa mostrou-se angustiada ao lembrar do sumiço.

A filha caçula de Estela, Valdete Gonçalves, de 42 anos, conta que em 2004 a mãe recebeu a notícia de que Raimundo estaria morando na cidade de Santarém, no Pará, mas por causa da idade avançada ela não teve como procurá-lo.

“Um primo meu nos falou que o meu irmão poderia estar em Santarém. Ele também chegou a falar que o Raimundo conseguiu vencer na vida e já tinha formado família na cidade onde estava morando. Mas aí minha mãe começou a chorar muito e disse: ‘meu filho deve achar que eu já estou morta’. Desde aí evitamos tocar nesse assunto”, relatou.

No dia 25 de abril, Estela perdeu o genro Genásio Dantas, que morreu aos 55 anos após um Acidente Vascular Cerebral (AVC). “Foi um grande choque para todos nós. Ele era meu marido e minha mãe era muito apegada a ele. Com certeza reencontrar meu irmão ajudaria a melhorar as coisas”, comentou a filha caçula, emocionada ao falar da morte do companheiro.

A mulher mais velha do Amapá pouco se comunica e tem dificuldades para andar. Há dias ela está sem poder ir para a frente da casa onde mora, no bairro Cidade Nova I, Zona Leste da capital, porque não tem uma cadeira de rodas para se locomover.

“Minha mãe sempre foi muito calada e ao mesmo tempo muito agitada. Ela sempre ficava feliz ao ir para a igreja, mas agora fica mais difícil por causa da cadeira de rodas e da idade avançada. Fala mais ‘sim’ e ‘não’, mas ainda conversa quando o assunto a agrada. A maioria dos filhos mora no interior e não tem muitas oportunidades de visitar a mamãe. Mesmo assim, sabemos que o maior desejo dela é ver a família toda reunida”, finaliza Valdete Gonçalves.

Vida

Estela Gonçalves Maciel nasceu em 20 de dezembro de 1906, no município paraense de Chaves. Ela tem mais de 30 netos e foi casada uma única vez. O esposo morreu aos 68 anos. Após a morte, ela e os filhos vieram para Macapá. A idosa sempre sustentou a família com o dinheiro tirado da agricultura, mas aos 60 anos largou o ofício e se aposentou.

*Do G1.