Gente Buscando Gente

Procura a mãe biológica


Juliana está hoje com 28 anos. Da sua história sabe apenas que nasceu em 16 de fevereiro de 1988 em Governador Valadares, Minas Gerais, e que sua mãe biológica se chama “Maria do Carmo”.

Ainda no hospital Maria do Carmo teria escolhido um nome para ela. Seria “Rosimere”. Mas quando finalizou o trabalho de parto e retornou para casa no bairro Jardim Pérola, teve uma discussão com o marido e resolveu deixar a menina com ele e sair de casa. Desde então ninguém mais soube dela.

O pai ficou com a filha por poucos dias e resolveu deixá-la aos cuidados de “Neuza”, que trocou seu nome para Juliana Reis Celestino e a criou até a fase adulta, sem nunca ter escondido que ela era apenas a mãe adotiva.

Mesmo com o receio de que o sentimento da filha adotiva por ela possa mudar quando encontrar a mãe biológica, Neuza sempre a acompanha em suas tentativas, como fez nesta entrevista.

Juliana sabe que o pai já faleceu e que possui poucas informações da mãe, mas não perde a esperança. Seu caso é acompanhado pela nossa entidade desde 2013.