Gente Buscando Gente

Cristo ficará laranja para alertar para o tráfico de pessoas e desaparecidos


Objetivo é anunciar criação do Dia de Alerta Contra o Tráfico de Pessoas e pelos Desaparecidos, criado por site que ajuda familiares

Rio - O Cristo Redentor ficará laranja, a cor do alerta, a partir das 18h desta quarta-feira, com o objetivo de anunciar a criação do Dia de Alerta Contra o Tráfico de Pessoas e pelos Desaparecidos. O evento terá a celebração da oração do Angelus pelo reitor do Santuário, Padre Omar Raposo, colunista de  O DIA.

A iniciativa da criação da data é do site/aplicativo BIA/meufilhosumiu.org, para chamar a atenção para o problema do tráfico humano que, cada vez mais, aumenta o número de desaparecidos no mundo. De acordo com pesquisa realizada pelo Ministério da Justiça, em 1999, a cada hora, 28 pessoas desaparecem no Brasil. Ao final do ano, o número chega a 40.000 crianças, em um total de 250.000 desaparecidos. A taxa de retorno é baixíssima.

Participarão do evento o Secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame; o Procurador de Justiça do Ministério Público, Dr. Rogério Carlos Scantamburlo; representantes da Secretaria de Estado de Assistência Social; da Fundação da Infância e Adolescência (FIA); representantes da OAB, seções Rio e São Paulo; Jovita Belfort, mãe do lutador Vítor Belfort, cuja filha, Priscila, desapareceu em 2004, além de mães e familiares de desaparecidos. A oração será finalizada por um cântico do padre Omar Raposo, acompanhado pelo cantor e ator, Rafael Almeida, irmão da também cantora e atriz Tânia Mara.

O site/aplicativo BIA/Meufilhosumiu.org (www.biamap.com ou www.meufilhosumiu.org) funciona como um alerta: quando o familiar de um desaparecido faz um Boletim de Ocorrência, cadastra os dados da vítima no site. O registro gera um alerta através dos sistemas Android ou IOS, gratuito, que é repassado para a sociedade, através das redes sociais, e para autoridades como a Polícia Civil e Federal, Ministério Público etc, para que comuniquem portos, rodovias, ferrovias e aeroportos, o que amplia, significativamente, as chances de localização do desaparecido.


*Do Jornal O dia.