Gente Buscando Gente

Ampliando ferramentas para encontrar pessoas desaparecidas

ONG GENTE BUSCANDO GENTE PASSA A TER UM SITE MAIS INTERATIVO, COM COMUNICAÇÃO POR MEIO DE MÍDIAS SOCIAIS. A EXPECTATIVA É DE QUE O NÚMERO DE CADASTROS AUMENTE

por MARIANA FREIRE CABRAL
da Redação do DRD Online

GOVERNADOR VALADARES – A cada hora, 22 pessoas desaparecem no Brasil. Por ano, são 200 mil desaparecidos, sendo 40 mil crianças, de acordo com o Ministério da Justiça. Buscando solucionar tais casos, há sete anos existe na cidade a organização não governamental Gente Buscando Gente. Agora, o site da ONG está de cara nova, sendo capaz de passar todas as informações de como funciona o serviço social oferecido pela equipe. Através de parceria com uma empresa de publicidade de São Paulo, a ONG também começa a contar com um atendimento ao vivo via chat.

A expectativa, de acordo com o diretor Carlos Rodrigues, é de que o número de cadastros recebidos aumente com o novo portal, além da interação por meio de mídias sociais. Dessa forma, os casos passam a ser recebidos apenas pela internet. "Certamente aquela pessoa que não tem acesso direto a um computador ou não tem prática vai contar com a ajuda de um familiar ou de um amigo para conseguir mandar sua história."

Com sete anos de existência, a sede da ONG fica em Valadares, mas auxilia moradores de outros estados também, e já proporcionou mais de 2 mil reencontros em 19 estados brasileiros. No ano passado, o trabalho ganhou destaque nacional após aparecer em dois programas de televisão.

A ONG foi inspirada na experiência de Penha da Conceição, avó do diretor. "Minha avó, por mais de 60 anos, procurou por uma filha biológica desaparecida. Chegamos a ter alguns avanços no caso dela, mas, como a história já tinha acontecido há muito tempo, algumas pessoas essenciais nessa busca já haviam morrido ou se mudado, o que dificultou descobrir o paradeiro dessa filha."

A previsão é de que o atendimento ao vivo do site (www.gentebuscandogente.org.br) funcione de segunda a sexta-feira, em horário comercial. Já o cadastro dos casos pode ser feito em qualquer horário, inclusive aos sábados, domingos e feriados.

ONG NO PERU

Além da experiência da avó do diretor da ONG, o trabalho do Gente Buscando Gente também foi inspirado no peruano David Nostas, que há 18 anos realiza esse mesmo trabalho em seu país. Nostas já conseguiu localizar 24 mil pessoas e é apontado pela imprensa peruana como “El Rey de los reencuentros”.


E não é apenas nesse trabalho que Rodrigues se espelha em Nostas. O peruano se apresenta sempre vestido de uma maneira característica, com um colete já conhecido por quem é familiarizado com seu trabalho. Carlos Rodrigues utiliza roupas semelhantes ás de Nostas durante suas visitas, entrevistas e reencontros, fazendo alusão ao trabalho do peruano e buscando o mesmo objetivo: o do reconhecimento por parte da população.